Compromisso

Car@ cibernauta,

Sou candidato a Presidente do PSD Oeiras.

Para nada mais nada menos, do para que a voz dos militantes seja considerada e a dos simpatizantes escutada com toda a atenção.

Sou candidato, para em definitivo: UNIR.

Acabados de sair das eleições legislativas, o Partido Social Democrata voltou a demonstrar que está na sociedade portuguesa com uma postura de responsabilidade, de verdade e de combatividade pelo ideário social democrata.
Ainda assim, precisamos de um caminho onde contem mais as pessoas e menos os partidos. Onde contem mais as ideias e menos os protagonistas. Onde a comunicação flua entre todos os cidadãos, independentemente das suas preferências.

Sou assumidamente social democrata e militante do PSD há mais de duas décadas e meia, tendo sempre apresentado a minha visão sobre as mais diversas matérias e tendo-a defendido nos mais variados fóruns. Sem medo.

Gestor de profissão e sociólogo de formação, mas acima de tudo cidadão atento, sinto bem que estamos agora num novo ciclo. O país, os partidos e eu próprio.
Julgo pois, que é o momento de deixarmos de encarar a atividade política como matéria reservada apenas aos eleitos, bem como também é o momento de compreender que a cidadania se faz em muitos outros fóruns.

Tenho-o feito desde sempre pela via associativa, sem discriminar opções partidárias, religiosas ou de qualquer outra espécie.

Pretendo, com a equipa que apresentarei em breve, renovar, redimensionar e perspectivar um novo rumo para o Partido Social Democrata em Oeiras.

Quer na qualidade de ex-deputado municipal de Oeiras (2002), de ex-Adjunto do Presidente da Câmara Municipal em 2005, ou mesmo de ex-deputado da Assembleia da República (ainda que a breve trecho, em 2015) jamais prescindi de colaborar e de dar a minha opinião, como de resto sempre o fiz, em particular neste meu concelho de sempre.

Este é pois o momento para que se repensem muitas escolhas, na certeza de que tudo farei para que tod@s tenham a mesma igualdade de oportunidades, para que tod@s possam fazer chegar os seus pontos de vista, as suas opiniões e a se alegrarem por poderem intervir numa nova dinâmica de diálogo permanente.

Inauguremos pois uma política de proximidade, que a juntar ao sempre insubstituível contacto pessoal, deva ter incidência nas novas tecnologias, privilegiando o diálogo através das redes sociais e a utilização da comunicação via email, ou noutras plataformas.

Essa é a cidadania ativa que perspectiva o futuro! Política com responsabilidade mas com alegria, com a felicidade de toda a comunidade como horizonte.

Grato pela sua participação, conte comigo e participe!

A Sua voz vai ser ouvida. Tem a minha palavra de honra.